Pesquisar no Portal Saber Espiritismo

sábado, 10 de novembro de 2012

O Que é o Nada? (3ª Temporada - Através do Buraco de Minhoca)


Em física, um buraco de verme ou buraco de minhoca é uma característica topológica hipotética do continuum espaço-tempo, a qual é, em essência, um "atalho" através do espaço e do tempo. Um buraco de verme possui ao menos duas "bocas" conectadas a uma única "garganta" ou "tubo". Se o buraco de verme é transponível, a matéria pode "viajar" de uma boca para outra passando através da garganta. Embora não exista evidência direta da existência de buracos de verme, um contínuum espaço-temporal contendo tais entidades costuma ser considerado válido pela relatividade geral.
O termo buraco de verme (wormhole em inglês) foi criado pelo físico teórico estadunidense John Wheeler em 1957. Todavia, a ideia dos buracos de verme já havia sido proposta em 1921 pelo matemático alemão Hermann Weyl em conexão com sua análise da massa em termos da energia do campo eletromagnético.[1]

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Buraco_de_minhoca


[Para ativar a legenda clique em CC]


Como bônus segue outro episódio da série:
[Para ativar a legenda clique em CC]

Por favor compartilhem, cliquem nos ícones do Facebook, Orkut, G+ e Twitter abaixo:

2 comentários:

  1. Achei interessante que aos 15minutos ele começa a tocar no assunto daquilo que culminou no processo de normalização. De fato existe muita energia no vácuo quântico e isso para mim só reforça a elegante teoria do Nassim Haramein e outras que devemos estudar que não precisam 'excluir' das construções teóricas essa impressionante energia acumulada no âmago de todas as coisas.

    ResponderExcluir
  2. Interessante aos 39minutos um físico apresenta a idéia do Campo Delatron e isso de certa forma tem similaridade à teoria da queda de Ubaldi que nos diz que anterior à grande expansão matéria>energia>espírito se deu uma grande contração espírito>energia>matéria. Seria essa a revolta dos anjos? Uma concentração de egos em expansão incorreta no sistema gerando um ponto de ruptura e uma grande expansão naquilo que chamamos hoje Universo e que representa o anti-sistema em que de fato as informações encontram-se sempre na superfície como processos ilusórios baseados na força criativa do ego. Só lendo a obra e comparando para verificar as similaridades.

    ResponderExcluir

Postagens Anteriores