O QUE VOCÊ PROCURA? pesquise aqui.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

O PENSAMENTO DOS GRANDES CIENTISTAS (3)




_"Me parece que quando se é confrontado com as maravilhas da vida e do universo, deve-se perguntar por que e não somente como. A única resposta possível é religiosa… Eu vejo uma necessidade de Deus no universo e na minha própria vida." (Arthur L. Schawlow – Físico Prêmio Nobel de física em 1981)



_"A meu ver, a questão da origem parece ser deixada sem resposta se a explorarmos somente do ponto de vista científico. Assim, acredito que há necessidade de uma explicação religiosa ou metafísica. Acredito no conceito de Deus e na Sua existência."  (Charlie Townes - Prêmio Nobel de física pela
descoberta do maser)



_“Hoje em dia acredita-se geralmente – e entre os físicos quase unanimamente – que a corrente do conhecimento nos leva a uma realidade não-mecânica; o universo começa a parecer mais um grande pensamento do que uma grande máquina” ( Sir James Jeans, um dos grandes físicos do século XX)  



_“Talvez se diga que a conclusão a ser extraída a partir dos argumentos da ciência moderna é que a religião tornou-se primeiramente possível para um cientista sensato por volta do ano de 1927” ( Sir Arthur Eddington, grande físico do século XX. Ele disse isso por causa das descobertas que a mecânica quântica trouxe para a humanidade, as quais realmente tornaram possível a religião  devido a estas descobertas e conclusões feitas por essa ciência serem tão assombrosas e impressionantes, que a visão e a compreensão da natureza, da realidade física, e do universo que ela nos deu e continua nos
dando, nos faz sim pensar que tem que haver UMA GRANDE CONSCIÊNCIA, DEUS,  por trás disto tudo, criadora destes fenômenos todos através de SUAS LEIS MAIORES).



_A Física moderna leva-nos necessariamente a Deus. Arthur Eddington ” ( Sir Arthur Eddington, grande físico do século XX).



_“Do meu telescópio, eu via Deus caminhar! A maravilha, a harmonia e a organização do universo só pode ter se efetuado conforme um plano de um ser todo-poderoso e onisciente”. Isaac Newton



_“É um cientista bem medíocre aquele que pretende poder passar sem fé ou sem Deus!”  (Werner Von Braun, criador dos foguetes que levaram o homem à lua)



_Repetimos aqui o que Niels Bohr, prêmio Nobel de física e um dos pais da física quântica disse com muita propriedade no livro “A Parte e o Todo“ de autoria de outro prêmio Nobel de física, e um dos pais da mecânica quântica, que é Werner Heisenberg, sobre a metafísica: “Afinal o prefixo apenas sugere que estamos fazendo outras perguntas, relacionadas aos fundamentos de uma dada disciplina; por que não poderíamos perguntar sobre o que está além da física?” (Ele nos mostra que podemos e devemos, que é legítimo, fazer outras perguntas, relacionadas aos fundamentos da física e irmos além da física, claro que dentro dos limites do possível e do razoável, o que para mim inclui inclusive as questões Espirituais, Religiosas, inclui usar a ciência, dentro do possível e do razoável, como ferramenta fundamental para compreendermos as questões relacionadas à espiritualidade, como por exemplo a existência de Deus, da Vida Após a Morte, do Mundo dos Espíritos).



_É importante recordarmos o que o famoso prêmio Nobel de física de 2003, Anthony Leggett, disse sobre a paranormalidade que certamente também serve e se aplica às questões relacionadas à espiritualidade, relacionadas à Religião.

P. - Diz-se frequentemente que a Biologia é a ciência do futuro…

R. -"Eu diria que a nossa compreensão do funcionamento do cérebro atualmente não é certamente melhor, é, na verdade provavelmente pior, do que foi a nossa compreensão da matéria a nível atômico no final do século XIX. Portanto, parece-me perfeitamente concebível que o século XXI traga a esse domínio o mesmo tipo de revolução a que assistimos na Física do século XX. E o desafio é, no mínimo tão grande. Na verdade, acrescentaria ainda algo que talvez vos vá chocar: penso que não será nenhuma desonra para os físicos estudar o que chamamos fenômenos paranormais. Associados a estes fenômenos há uma variedade de coisas que vão desde as experiências onde se tentam adivinhar as
cartas até às especulações sobre a vida para além da morte. É óbvio que em muitas destas atividades há grande charlatanismo, ilusões pessoais, mas isso não quer dizer que não haja nada por trás. Devemos recordar que, no século XV, havia muitos trabalhos em alquimia. A maior parte era um disparate, mas por detrás de alguns deles revelou-se o coração do que é hoje a Química. Não considero por isso inconcebível que alguns dos fenômenos que hoje tratamos como ficção, completamente paranormais, revelem uma verdadeira base científica. Em particular, os fenômenos que excluímos não por causa do primeiro princípio da termodinâmica mas por causa do segundo princípio".


Tudo no universo é regido por leis naturais Divinas, inclusive a realidade espiritual, o Mundo Espiritual. Ele não funciona através de mágica, mas sim através de LEIS. Então como nos mostra o prêmio Nobel de física Anthony Leggett a física deve sim estudar os fenômenos paranormais e também os Espirituais que de certa forma estão relacionados com os fenômenos paranormais. As Leis Naturais Divinas regem tudo e para descobrirmos e compreendermos estas Leis, precisamos da física, da ciência. Concluímos mais uma vez, que a ciência deve então ser relacionada com a Religião, dentro do possível.



_“Religião e ciência travam uma batalha comum na incessante cruzada, sem fim, contra o cepticismo e o dogmatismo, a descrença e a superstição. O grito para reunir essa cruzada sempre foi e será: até Deus.” ( Max Planck, no livro “Autobiografia Científica e outros ensaios” editôra Contraponto)



_ Todo um coro de laureados do Prêmio Nobel de física ergue a sua voz para nos anunciar a morte da matéria ... “(...)” Já é tempo de aprendermos as lições da ciência pós-mecanicista do século XX e de nos livrarmos da camisa de força que o materialismo do século XIX impôs aos nossos conceitos filosóficos”. (Arthur Koestler importante filósofo e escritor do século XX).



_ “Toda a matéria se origina e existe apenas em virtude de uma força... Devemos assumir por trás dessa força, a existência de uma mente consciente e inteligente. Essa mente é a matriz de toda a matéria” (Max Planck, prêmio Nobel de física e o primeiro pai da física quântica).



_“Como, porém, a percepção dos sentidos só nos proporciona informações indiretas sobre o mundo exterior, só poderemos apreender este último por meios especulativos". (Einstein)

Se como disse Einstein só podemos apreender o mundo exterior por meios especulativos, e este é o processo legítimo e possível da ciência buscar entender a REALIDADE FÍSICA, então podemos especular legitimamente sobre muitas outras coisas inclusive sobre a possível relação entre a ciência e a religião, inclusive também sobre a possibilidade da existência do mundo espiritual. Niels Bohr, prêmio Nobel de física e um dos criadores da física quântica, disse ”que não via razão para se reservar o prefixo “meta” para a lógica e a matemática como no caso de metalógica e metamatemática sem que se
empregasse esse termo também para a física. Afinal, o  prefixo apenas sugere que estamos fazendo outras perguntas relacionadas aos fundamentos de uma dada disciplina; POR QUE NÃO PODERÍAMOS PERGUNTAR SOBRE O QUE ESTÁ ALÉM DA FÍSICA?” (Com estes dizeres Niels Bohr legitima a metafísica como processo da busca do conhecimento e do entendimento da realidade
física no sentido mais amplo, inclusive do que está além do que nós vemos).

Werner Heisenberg nos traz: “Os positivistas têm uma solução simples: o mundo deve ser dividido em o que podemos dizer de forma clara e o resto, sobre o que é melhor passar em silêncio. Mas pode alguém conceber uma filosofia mais inútil, visto que o que podemos dizer claramente equivale a quase nada? Se nos omitirmos sobre tudo que não é claro nós provavelmente ficaríamos com tautologias completamente desinteressantes e banais." (Werner Heisenberg prêmio Nobel de física e um dos principais construtores da Mecânica Quântica. Aqui de certa forma ele joga a ciência na direção onde também trabalha a religião, diz que a pesquisa científica deve ir nesta direção, religião que lida com o ”IMPONDERÁVEL”, COM “O INVISÍVEL” e ele, de certa forma, legitima a pesquisa do “IMPONDERÁVEL e do “INVISÍVEL” nos mostrando que é onde está a parte mais interessante da REALIDADE MAIOR, para ser descoberta).



_ “A ciência explica. A Religião dá o significado”. ( Alguém de quem não me recordo do nome )



Dauro Mendes